CR: aprovada Moção de Apoio à greve dos trabalhadores da Justiça do RS

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Documento foi aprovado durante terceira edição do Conselho de Representantes de 2019 realizado em Palmas (TO). Atividade contou com a participação de 15 sindicatos. Documento trata de reivindicações e do combate a uma série de injustiças praticadas pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul.

O último final de semana foi de intenso trabalho para a coordenação colegiada da Fenajud (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados) e para o Conselho de Representantes da entidade. Reunidos em Palmas (TO), sexta (25) e sábado (26), os quinze sindicatos filiados aprovaram, por unanimidade, uma Moção de Apoio destinada aos trabalhadores do Judiciário estadual do Rio Grande do Sul. A categoria segue em movimento paredista desde setembro, para reivindicar melhores condições de trabalho, valorização profissional e impedir o encolhimento do acesso à justiça no estado. Confira o documento na íntegra:

Os sindicatos filiados à Fenajud, reunidos no Conselho de Representantes de Entidades Sindicais, em Palmas (TO), manifestam apoio irrestrito à greve dos trabalhadores do Judiciário do Rio Grande do Sul. Os trabalhadores iniciaram no dia 24 de setembro um movimento grevista que tem na pauta de reivindicação diversos pontos essenciais para que se traga justiça àqueles que empenham suas vidas visando entregar à sociedade um trabalho qualificado e eficiente.

A série de injustiças que assolam o judiciário gaúcho é extensa: ameaça de extinção de 3500 cargos de Oficial Escrevente, e sua substituição por outros com diferentes direitos; cinco anos consecutivos sem reposição da inflação nos vencimentos, ainda com ameaça de perder cerca de 20% do que já possuem devido a duas ADIs que tramitam no STF; auxílio alimentação de baixo valor, e que representa metade do que percebem os magistrados; único judiciário do país que não possui plano de carreira para os servidores do primeiro grau; Oficiais de Justiça com imensa defasagem no valor das conduções; sobrecarga de trabalho e adoecimento coletivo.

O SindjusRS buscou inúmeras vezes e de diversas formas a construção de alternativas que pudessem diminuir as perdas e trazer isonomia aos trabalhadores, propondo projetos, buscando o diálogo com a Administração do TJRS e agregando cada vez mais as pautas da categoria. Esta, decidiu pelo indicativo de greve no dia 15/03/2019, quando encaminhou pauta de reivindicações para o tribunal aprovada em Assembleia Geral. Entretanto, a presidência do tribunal não apresentou nada de concreto para seus trabalhadores, apenas promessas vagas e evasivas. Ainda, tem praticado condutas antissindicais, ameaçando os grevistas com lançamento de faltas não justificadas e corte de ponto com objetivo de desmobilizar e conter a força da luta da categoria. A presidência alega que sempre esteve aberta ao diálogo, mas que diálogo é esse? O mesmo tribunal que prega a conciliação para a resolução de conflitos não concilia com seus próprios trabalhadores.

Os colegas do Judiciário gaúcho merecem respeito e consideração por parte da Administração do Tribunal de Justiça, que deve receber e negociar com os trabalhadores uma solução para as questões apresentadas, pois não podemos aceitar que tamanhas injustiças sejam praticadas na casa da justiça.

Confira o vídeo de apoio aos trabalhadores e trabalhadoras do estado:

 

Comments

comments

Compartilhar