Entidades debatem estratégias contra reforma da Previdência

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Coordenador de Assuntos Parlamentares da Fenajud, Fabiano Reis, acompanhou os trabalhos da Frente Parlamentar em Defesa da Previdência nesta terça-feira (18). 

A Comissão Especial da Reforma da Previdência iniciou nesta terça-feira (18) a primeira reunião sobre o parecer do relator da PEC 06/19, Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentado na última quinta-feira (13). Com o andamento da proposta na Câmara dos Deputados, a Fenajud (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados), por meio do coordenador de Assuntos Parlamentares, Fabiano Reis, realizou mais uma atividade em torno da proposta: reuniu-se com diversas entidades – membros da Frente Parlamentar em Defesa da Previdência – para articular ações a serem realizadas contra a reforma da Previdência.

Durante um longo período o grupo dialogou sobre as possibilidades de ações e estratégias que podem derrotar a medida ainda na primeira fase (já que a votação do parecer deve acontecer na próxima semana). A Frente vai continuar os trabalhos no sentido de mobilizar os deputados e deputadas nos estados, com dados reais, referentes a proposta para mostrar que a PEC prejudicará apenas a classe trabalhadora do país. Os ricos, banqueiros e empresários sairão ilesos.

A mesa fez um alerta aos participantes para a fase crítica que se inicia na Câmara. Caso a medida seja aprovada na Comissão, o texto seguirá para o plenário da Câmara, onde precisará passar por duas votações. Em cada uma, precisa obter, no mínimo, 308 votos (o apoio de 60% da Câmara).

Fabiano Reis disse que “A expectativa de Rodrigo Maia e de líderes é que a reforma da Previdência tenha a tramitação concluída na Câmara antes do recesso legislativo, que ocorre em julho. Por isso a mobilização é fundamental neste momento. Não podemos recuar um passo que seja. A reforma é prejudicial tanto para os trabalhadores do serviço público, quanto do privado. Não há quem saia ileso. Todos pagarão por uma conta que não é nossa. A Fenajud tem articulado, incansavelmente, no Congresso e manteremos plantões para acompanhar de perto a tramitação da proposta, bem como a interlocução com as bases para impedir que a PEC seja aprovada”.

Comments

comments

Compartilhar