Sindijus completa 30 anos

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

No dia 29 de março foi realizada a Sexta Cultural comemorativa aos 30 anos do sindicato das trabalhadoras e trabalhadores do judiciário sergipano, que foi fundado no dia 27 de março de 1989.

Essa Sexta Cultural foi o primeiro evento em alusão ao aniversário de 30 anos do Sindijus que ainda contará com outras atividades no decorrer deste ano.

O Sindijus no decorrer dessas três décadas consolidou uma concepção sindical combativa e autônoma, fruto do entendimento da categoria de que somente com a organização dos trabalhadores é que se conquista direitos.

De gestão a gestão, foram acrescentadas contribuições em diversos aspectos, seja na estrutura administrativa, na mobilização da categoria, no engajamento nas lutas de classe e dos movimentos sociais e até mesmo na importância da Comunicação para o movimento sindical. Uma construção que, nesta data simbólica, será rememorada e recontada.

Sara do Ó, dirigente do Sindijus servidora do TJSE há exatos 30 anos, foi testemunha e, ao mesmo tempo, participante dessa evolução. “Nesses 30 anos, o nosso sindicato tem cumprido o seu papel de ser veículo das lutas de toda a categoria. Acumulamos muitas conquistas ao longo desse tempo. Parabenizo a todos os diretores de todas as gestões e às trabalhadoras e trabalhadores do Poder Judiciário”.

Atrações

A celebração aconteceu ao som de duas bandas sergipanas de peso. A noite começou com o suingue de Anne Carol e os AfroDrums, com Cleberson Martins, Felipe Gaspar, João Santos, André Luiz e Fabricio Mangaio. Eles levaram tanto versões de outras músicas quanto trabalhos autorais que passeiam entre o reggae, o soul e música preta. Entre as influências da música de Anne Carol e os AfroDrums estão Os Ticoãs, Elza Soares, Lauryn Hill, Sandra de Sá e Tia Nadir da Mussuca.

Depois subiram ao palco Alex Sant’Anna com a Desorquestra Maletrosa, composta por Abraão Gonzaga e Betinho Caixa D’Água e Leo Airplane. Nas palavras do músico Alex Sant’Anna, “a Desorquestra faz música dançante pra esse mundo caótico. Então, vai rolar samba, frevo, forró pra balançar a pélvis”.

 

 

 

 

Comments

comments

Compartilhar

Deixe uma resposta