“5% de reajuste conquistado pelo Sindjustiça-RJ é legal, é constitucional e não é imoral”, aponta Fenajud

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Federação reafirma apoio a todos os trabalhadores e trabalhadoras do judiciário estadual carioca, que estavam desde 2014 sem reajuste salarial. Entidade de representação nacional acompanha casos nos estados para garantir, lado a lado às entidades locais, que sejam mantidas as conquistas de direitos.

Há anos o Sindjustiça-RJ (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro), filiado à Fenajud (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados), tem travado uma verdadeira batalha em prol da categoria no estado. Em mais uma etapa para garantir os direitos fundamentais e constitucionais, toda a entidade e a categoria tem passado por um massacre midiático no estado carioca. Isso tudo por conta da derrubada, por unanimidade, do veto do governador do estado, Luiz Fernando Pezão, à reposição salarial de 5% para os serventuários do TJRJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro). Diante disso, a Federação reafirma seu apoio à entidade, que lutou por anos por essa conquista.

Em virtude da situação delicada, vivenciada no Rio de Janeiro, a Fenajud declara que “o reajuste salarial de 5% – esperado desde 2014 – é legal, é constitucional e não é imoral, como querem que a população acredite que seja. Ao contrário da maioria dos magistrados, que tem casa própria, recebem auxílio moradia e querem um aumento de 16% em seus salários, a categoria no Rio de Janeiro suportou bravamente por quatro anos para que esse dia chegasse”.

“A população carioca merece um serviço público de qualidade, e isso só é possível com a valorização do servidor público, que vem sendo massacrado pelos governos estaduais há anos. Nós mantemos nosso apoio à todos os trabalhadores e trabalhadoras, assim como manteremos em todos os estados. A Federação sempre estará ao lado da classe trabalhadora, para que momentos como este aconteçam também em outras Unidades da Federação”, complementa a entidade.

Ana Paula do Couto, diretora de formação sindical do Sindjustiça-RJ, disse ao Portal da Fenajud que a situação tem sido bem difícil no estado. “Trabalhamos com essa perspectiva de massacre midiático o tempo todo. Todos vimos como a mídia nos tratou durante todo esse árduo processo de luta pela manutenção de uma garantia constitucional. Insistem em dizer que somos vilões. Mas, para todo servidor e servidora que atua no cotidiano das serventias do estado do Rio, sabemos que merecemos essa conquista. Temos dedicado nossas vidas para fazer do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro o mais produtivo do Brasil. Isso não é o Sindjustiça-Rj quem fala, é o CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

De acordo com o diretor de assuntos jurídicos do Sindjustiça-RJ, José Carlos Arruda, o caminho até a concessão do percentual está seguindo o rumo esperado desde o início pelo sindicato. “Sabíamos que essa luta seria dividida em três etapas: aprovação, veto e recurso no STF. Estamos preparados e iremos enfrentar essa fase com a mesma força que usamos para abrir o caminho até aqui”, afirma.

A Fenajud acompanhará a pautado Sindjustiça-RJ, para garantir que o direito da categoria seja mantido. Além disso, a Federação disponibiliza equipe jurídica para auxiliar todas as entidades filiadas contra toda e qualquer retirada de direito, além de auxiliar os sindicatos na luta por melhores condições de trabalho e pela valorização do serviço público

Comments

comments

Compartilhar

Deixe uma resposta